MILÍCIAS DIGITAIS FAZEM CIRCULAR FALSAS INFORMAÇÕES DE SOLTURA DO ACTIVISTA TCHOMBÉ EM MENONGUE

11.01.2024

As informações postas a circular nas redes sociais, dando conta de suposta soltura do activista Francisco Tchombé, são falsas e justificam-se pelo arrependimento da grandeza do erro cometido pelas autoridades de Menongue contra um filho de Angola com o nome de batalhador.

Por: Armando Chicoca, no Namibe

Qualquer informação sobre a restituição de liberdade neste quesito é falsa, os laboratórios da mentira querem inviabilizar o curso da corrente positiva de todos aqueles que se opõem às más práticas na convivência social.

Oséias Caxinde que publicou a falsa informação da soltura, cita a família como fonte em conversa com Marques

 

Todos nós, ativistas sociais e jovens angolanos na região sul de Angola e não só, do país também somos apologistas de que hoje não se deve tapar o sol com peneira, salvos os kamikazes, pessoas sem dignidades, sem caráter que ainda enveredam pela corrupção mesmo algumas vezes também vivendo no seu dia-a-dia as consequências deste mal.

Judith Cassanga teve hoje contacto com o marido na cadeia. Tchombé a três dias não quer comer, observa greve de fome

 

Sim, todos estamos alinhados e exigimos a libertação já e agora do activista Tchombe, em Menongue e alertamos que em Menongue está a continuação da nossa luta contra a corrupção e outros males que colocam mal na fotografia desta nossa rica e bela província onde no ano passado acompanhamos a construção de uma ponte de pau apique paga com o dinheiro do estado.

A esposa do Activista fala da primeira deteção do Tchombé

 

Relativamente a circulação de falsas informações de suposta soltura de Francisco Tchombe nos últimos dias, eu pessoalmente assinante deste artigo de opinião, quando eram 13 horas e 32 minutos nesta quinta-feira, tive contacto telefónico com a senhora Judith Cassanga, conforme a foto que publico para mostrar que neste país há pessoas de má fé, portanto no contacto de solidariedade com a família de Tchombe, a minha mana Judith Cassanga disse-me que o Tchombe continua preso.

 Acompanhe depoimentos de Tchombé depois da soltura milionária que causou a segunda detenção presumivelmente de retaliação

 

“A culpa do Francisco Tchombe é ter exigido o recibo do dinheiro que a esposa pagou nas mãos do secretário Judiciário do Juiz de  garantia,  zola Miranda, conforme próprio tchombe disse a Voz da America”

 Acompanhe depoimentos de Tchombé depois da soltura milionária que causou a segunda detenção presumivelmente de retaliação

 

Que não haja xinguilamento e nem precipitação, os advogados David Mendes e Guilherme Neves, este último presidente da Associação Mãos Livres, estão a caminho de menongue para libertar o activista Tchombé.

 Tchombé reclamou o recibo que prova ter entregue 220 mil nos cofres da justiça

 

Os activistas subscritores do comunicado de terça-feira, 9 de Janeiro de 2024, exigiram a responsabilização dos eventuais culpados pelo sofrimento deste filho de Angola  “Tchombe” e é mesmo isso que vai acontecer, posteriormente vão responsabilizar os responsáveis dos excessos, e exigir do CSMJ e do CSMP investigações sobre presumíveis actos de corruptos ou que no mínimo sejam justificadas as motivações das referidas cobranças cobranças de dinheiro em mãos por suposta ordem do juiz da sala de garantia.

Judith Cassanga, esposa de Francisco Tchombe, reagiu a segunda detenção do marido

 

Pelo menos é este o sentimento dos activistas do Namibe, que em solidariedade do Francisco Tchombé, o batalhador em Menongue, o homem do bem, detido e preso escandalosamente no passado dia 31 de Dezembro de 2023.

Por altura da segunda detenção ainda foi a tempo de falar com Pedro de Sousa Activista do Namibe

 

DADOS HISTÓRICOS

Esclarecemos que depois de ter já sido detido vinte dias antes por um suposto caso de calúnia e difamação, que diga-se em abono da verdade é crime particular e não dá detenção imediata, onde um membro do grupo whatsapp criado por Francisco Tchombe denunciou algum mau trabalho dos serviços de migração  estrangeira.

Foi este processo  supostamente de calúnia e difamação, em que é queixoso, segundo declarações de Tchombe, naquela altura, é o chefe dos serviços de migração estrangeiro, levou-lhe a primeira detenção cuja soltura foi milionária.

“Sexta-feira, o Juiz mandou-me chamar e me ouviu e disse que eu tinha que pagar 220 mil kwanzas. Mas a minha mulher Judith Cassanga só tinha naquela altura 110 mil kwanzas e o  secretário Judicial (o nome não foi revelado)

Ajuda o Activista Tchombé com o que puderes neste IBAN da filha:IBAN AO06005500000870196310105 (005500000870196310105) Madalena Júlia Chissola Chombé. O jornalista e Activista Armando Chicoca já fez a sua parte, falta você. Ajudar o nosso irmão faz bem a alma

Pedimos aos amigos do bem, solidários com o Batalhador para contribuírem com o que puderem na conta bancária da filha “ A006 005500000870196310105”  Madalena  Julia Chissola Chombe. Eu já cumpri com o meu dever conforme a cópia desta transferência.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

COMUNICADO DOS ACTIVISTAS NO NAMIBE

O grupo de ativistas da província do Namibe esteve reunido hoje dia 09 de Janeiro de 2024 na residência do activista e jornalista Armando Chicoca para abordar e analisar sobre a prisão ilegal do nosso mano do Cuando Cubango Francisco Tchombé MCP #BATALHADOR, depois de auscultação dos áudios da primeira e a segunda detecção, os ativistas decidiram o seguinte:

Domingos Bamba, Activista, Jurista e Docente

1 – Exigir soltura incondicional e imediato do ativista #Batalhador, pelas seguintes razões.
a) Tchombé não é criminoso, mas sim defensor dos ideais da democracia e liberdade na província do Cuando Cubango e não só.

 

Amándio Balança, Activista no Namibe

b)  A primeira detecção que custou a soltura milionária de mais de 200 mil kzs, ja tinha sido ilegal e a cobrança de 220 mil kzs em mão pela sala de Garantia também é ilegal e crime porquanto não lhe foi permitido depositar tal valor na conta da justiça ou na Conta Única de Tesouro do Estado (CUT).

 

Oséias Caxinde, Presidente do FORDUM regional sul

C) A exigência da devolução dos 220 mil kzs por parte do Tchombé que foram entregue em mão ao secretário judicial do juiz da sala de garantia, inequivocamente abre suspeita de corrupção por parte do tribunal provincial de Menongue a julgar por outros factos de cobrança de avultadas somas de dinheiro em mão testemunhada pelo ativista Edson kamalanga, que também foi uma das vítimas e o ativista Pedro De Sousa Sousa que assistiu o acto de depósito de 100 mil kzs a mão do secretário judicial, presumivelmente a mando do juiz Zola Miranda.

 

Pedro de Sousa, Activista no Namibe

2 – Os activistas ora reunidos exigem ao conselho superior da magistratura judicial e ao conselho superior da magistratura do ministério público, investigações sobre a pouca vergonha da justiça angolana no Cuando Cubango.

3 – Manifestam-se prontos em companhia dos ativistas da Huíla, Cunene e Cuando Cubango com outros membros da sociedade civil, deputados do bem, despoletaram manifestações sucessivas na província do Cuando Cubango contra a corrupção.

 

Edson Camalanga, Activista e Docente no Namibe

Os activistas pedem assistência da Associação Mãos Livres, AJPD, OMUNGA, Amnistia internacional internacionais e outras organizações para custear assistência judicial com os advogados indicados, David Mendes, Guilherme Neves, Salvador Freire, Assurreira Sebastião e Celestino Fernandes para abertura de um processo contra o juiz Zola Miranda neste quesito de indemnização ao ativista ora detido, Francisco Tchombé (Batalhador) tribunal provincial de Menongue.
Unidos venceremos.

 

Assina; Edson Kamalanga, Armando Chicoca (NFV), Pedro de Sousa, João Bamba, Amândio Balança, Oséias Caxinde (Waydombida Cikale).

Recentes

NFV FORA D` HORAS 11-04-2024

Noticiário NFV, edição de quinta-feira 11 de Abril de 2024 com os seguintes tópicos: 1 - Advogado David Mendes diz que não se pode combater fome olhando para importação; 2 - Governador do Namibe considera haver ainda muitos casos de Malária na zona norte da província;...

pergunta, sugere, denuncia, contribui

Jornalismo com tempo e profundidade faz-se com a tua participação e apoio.

Share This